30 de abr de 2011

Quantas vezes você parou e pensou: “E agora, o que eu faço?