17 de jun de 2011

Ultimamente vivo numa carência, é uma carência ingênua de carinho, afeto, palavras bonitas, olhares. É carência de alguém, de um colo ou de um abraço, de um ombro para um choro e um desabafo.  
(N. Martins.)